Bitter Apricot

98% AMIGDALINA / VITAMINA B17

Prunus armeniaca é uma espécie nativa da China e do Japão. Seu fruto é o damasco, rico em vitaminas e minerais e utilizado na medicina tradicional em diversas preparações como laxante, expectorante e no tratamento de inflamações oculares e vaginais. A semente do damasco, além de ser composta por fibras, proteínas e óleos, contém o glicosídeo cianogênico amigdalina. Pesquisadores foram capazes de identificar atividades antimicrobiana, antioxidante e imunomoduladora nos fitoquímicos desta espécie. Bitter Apricot demonstrou eficácia na eliminação de radicais livres e inibição da peroxidação lipídica, reforçando seu potencial antioxidante. O extrato demonstra ainda uma toxicidade seletiva para as células cancerígenas, desempenhando um papel de suporte no tratamento oncológico. A proliferação de linfócitos T é induzida pelo Bitter Apricot, inibindo a secreção de TGF-β, e consequentemente, aumentando a imunidade.
A atividade antimicrobiana do extrato de Bitter Apricot foi avaliada contra microrganismos patogênicos através do método de discodifusão. Os resultados obtidos mostraram amplo espectro de atividade antimicrobiana, produzindo zonas de inibição contra cepas de Staphylococcus aureus, Escherichia coli, Proteus mirabilis, Candida albicans e Candida glabrata. Os pesquisadores destacaram ainda a atividade antioxidante do extrato através da determinação do poder de eliminação de radicais livres, a atividade de inibição da peroxidação lipídica e o conteúdo de fenóis totais medidos com teste de DPPH, método de tiocianato e método de Folin, respectivamente.
A amigdalina é hidrolisada liberando benzaldeído, que pode induzir uma ação analgésica, e ácido cianídrico que é um composto com
atividade antitumoral, cujo mecanismo de ação consiste na toxicidade seletiva para as células cancerígenas, devido uma enzima que está presente em altas concentrações nestas células, e atua liberando a cianida, que é tóxica para as células em questão, portanto, pode ser usado como um adjuvante no tratamento do câncer, atuando em sin ergia com as terapias convencionais.
Ademais, o extrato de Bitter Apricot, rico em amigdalina, estimula o sistema imunológico, aumentando significativamente a proliferação de linfócitos T no sangue e estimula os linfócitos a secretar IL-2 e IFN-γ, inibindo a secreção de TGF-β1, e aumentando assim a função imunitária.
Pesquisadores avaliaram o potencial terapêutico da amigdalina, investigando a ativação de fibroblastos intersticiais renais e fibrose renal na obstrução ureteral. O tratamento dos fibroblastos intersticiais renais com amigdalina inibiu sua proliferação e a produção do TGFβ1. No modelo de nefropatia obstrutiva em ratos, a administração da amigdalina eliminou imediatamente o acúmulo de matriz
extracelular e aliviou a lesão renal no 21º dia. Estes resultados indicam que a amigdalina possui uma potente atividade antifibrótica.

Posologia:
Utilizar uma dose de 150 a 250 mg de Bitter Apricot, duas vezes ao dia.