D-chiro Inositol

Alternativa segura e eficiente no gerenciamento da Síndrome dos ovários policísticos (SOP) e melhora a homeostase da glicose e a atividade insulínica.

D-chiro Inositol é um dos estereoisômeros do inositol de relevância biológica, convertido enzimaticamente a partir da ação de uma epimerase dependente de insulina sobre o Mio Inositol.

Assim, possíveis distúrbios no metabolismo do D-chiro Inositol juntamente com Mio Inositol podem estar intimamente relacionados à resistência à insulina, manifestação importante presente em diversas patologias como diabetes tipo 2, obesidade, Síndrome dos Ovários Policísticos (SOP), assim como hipertensão e doenças cardiovasculares. A suplementação de D-chiro Inositol, em proporção adequada com Mio Inositol, tem sido avaliada na melhora da função ovariana e menstrual em SOP, homeostase da glicose e insulina, metabolismo lipídico e função cardiovascular.

O D-chiro Inositol está mais correlacionado com a transformação de glicose em glicogênio, estando presente no fígado, tecido muscular e adiposo. No entanto, cada tecido regula o balanço intracelular dos níveis de cada isômero do inositol conforme suas necessidades metabólicas.

Estudos demonstram que mulheres com síndrome do ovário policístico (SOP) apresentam uma redução nos níveis séricos e um aumento na excreção urinária de D-chiro Inositol. Além disso, foi evidenciado que o clearance urinário de D-chiro Inositol é inversamente correlacionado à sensibilidade à insulina em
mulheres com SOP, sendo associado como um preditor do metabolismo resistente à insulina. Dessa forma, esses dados sugerem que mulheres com SOP podem apresentar uma desregulação no metabolismo do inositol, caracterizado por uma deficiência de D-chiro Inositol e por um estado de resistência à insulina.

O D-chiro Inositol favorece a utilização da glicose no ciclo de Krebs para formação de ATP e estimula a conversão de glicose em glicogênio. Dessa forma, o D-chiro Inositol melhora a resistência à insulina, promovendo diminuição da glicose sanguínea e da hiperinsulinemia. Com isso, ocorre também a redução do estímulo para síntese de hormônios androgênicos e o aumento na produção de SHBG, reduzindo os níveis de testosterona livre. Portanto, a partir da melhora na homeostasia no metabolismo da glicose é possível observar também uma melhora no quadro clínico da SOP.

  • MELHORA A HOMEOSTASE DA GLICOSE E A ATIVIDADE INSULÍNICA
  • ALTERNATIVA SEGURA E EFICIENTE NO GERENCIAMENTO DA SÍNDROME
    DOS OVÁRIOS POLICÍSTICOS (SOP)

Posologia:
De 50 a 500 mg ao dia.